BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS

terça-feira, janeiro 15, 2019

Cordel Encantado não melhora audiência da Globo


Cordel Encantado, a nova novela a ser reapresentada pelo Vale a pena ver de novo merece todos os aplausos, é lindíssima, mas está mantendo os 13, 14 pontos de suas antecessoras, Belíssima, em sua última semana, e Celebridade. Globo não aprende. Apostem nas novelas de Manoel Carlos: História de Amor, Por Amor, Laços de Família, Mulheres Apaixonadas, Felicidade ou Páginas da Vida. Desta década, A Vida da Gente, de Lícia Manzo. Assim atrairia o maior público da tarde: as mulheres. E a chegada semana que vem da Grande Família só vai piorar a situação. Já que a escolhida foi Cordel Encantado, ao invés de D. Nenê e Lineu, deviam ter escalado O Beijo do Vampiro com capítulos maiores até a estreia de uma nova programação vespertina. Pelo menos assim o público infantil que assiste a Sessão da Tarde sintonizaria na novela. Ou apostassem em duas horas de Cordel. 

Vale a pena ver de novo O cravo e a rosa, Terra nostra e Porto dos milagres

Giuliana & Matteo estarão de volta no canal VIVA a partir de fevereiro. Um viva para esta notícia, apesar de a novela ainda estar fresquinha na minha memória (ela foi ao ar em 1999 e lembro bem mais dessa novela do que algumas que foram exibidas nesta década). Incrível! Foi a melhor novela da M. Fernanda Cândido, da Ângela Vieira, do Juan Alba, mas não foi a melhor de Benedito Ruy Barbosa. Começou estourando os 50 pontos, mas foi perdendo o fôlego durante seus 200 e tantos capítulos. Entretanto, prefiro Terra Nostra à Força de um Desejo (e eu gostava da trama de Ester). Também no VIVA o retorno de Catarina & Petrucchio, um dos casais mais explosivos das telinhas, na que considero a melhor novela das seis de Walcyr Carrasco, O Cravo e a Rosa (de volta em março) (mais que Chocolate com Pimenta, Alma Gêmea e Êta Mundo Bom). Giuliana, Matteo, Catarina, Petrucchio, grandes pares românticos de volta às telinhas. Ainda no pacote de novas reprises, Lívia & Guma (ok, esse casal não marcou tanto assim, mas a novela vale por Adma, a vilã cruel interpretada por Cássia Kis). Também a partir de fevereiro.
Porto dos Milagres foi uma novela de sucesso, com personagens populares, mas apesar da boa média final de 47 pontos, não marcou como A Indomada, Fera Ferida, Pedra sobre Pedra e Tieta, também novelas regionalistas de Aguinaldo Silva, mas frise-se, é inegavelmente superior à novela das nove da Globo na atualidade, prima dessas novelas.

Giuliana & Matteo ou Catarina & Petrucchio: qual o melhor casal de novelas?


Esses eram Guma e Lívia.


Tatyane Goulart é a mamãe mais bonita em anos


Ano passado a Ísis Valverde e a Sabrina Sato foram as mamães do ano, mas mesmo menos famosa, a atriz Tatyane Goulart, que nos anos 1990 foi a Bia de Felicidade e a Ângela de Quatro por Quatro, entra na reta final da gravidez de sua primeira filha: Catarina. E me desculpe a Ísis (uma gata) e a Sabrina (outra gata), mas a Taty Goulart está a mamãe mais bonita do Brasil em anos. 

Confiram:


Quem foi criança nos anos 1990 vai ficar com saudades da talentosíssima Taty Goulart.

A polêmica da Xuxa velha

Xuxa postou uma foto no Instagram sem maquiagem e com cabelos brancos: continua linda.


A apresentadora Xuxa divulgou em seu Instagram há uma semana uma foto sua sem maquiagem e com cabelos brancos. Por ser uma mulher e uma artista (ela vive de sua imagem), ela mereceu todos os elogios possíveis (e ela recebeu bastante), mas pelos mesmos motivos, também enfrentou uma enxurrada de críticas: "Xuxa está velha!", disseram alguns. 
Xuxa tem 55 anos, fará 56 em março, mas ainda assim continua bonita. E mais: Xuxa não quer fazer plástica, ou seja, deixem a Xuxa envelhecer em paz.
Xuxa deveria continuar com os cabelos brancos. Por que não? Ela ficaria uma senhora linda. Sim, também gostaria de ter a Xuxa com seus 30 anos, voltar aos anos 1980 e 1990, mas o tempo passou. Todos envelhecemos! Todos queremos passar dos 50, assim como ela, e quando chegar a nossa vez, que não sejamos vistos como velhos (até porque não considero uma mulher de 55 anos velha).

Retorno

Polêmicas à parte, em fevereiro, Xuxa volta à TV na estreia do reality show The Four (tomara que seja bom), dando um descanso ao ótimo Dancing Brasil

sexta-feira, janeiro 11, 2019

O fim do Vídeo Show


Após quase 36 anos, que seriam completados em março, foi ao ar o último Vídeo Show (uma tragédia anunciada) (nesta sexta 11), cujo ápice ocorreu nos anos 1994 e 1995 (quando começou a ser diário). Em tempos sem internet, o programa era o mais próximo que o público conseguia chegar do seu artista preferido. Com o Falha Nossa, quadro mais famoso do programa, enxergávamos os erros que eles cometiam, sim eles também cometiam erros. Os deuses da TV desciam de seus saltos (porém, quando a internet chegou, não só desciam de seus saltos, mas muitas máscaras caíram). A internet fez com que o Vídeo Show se tornasse a notícia de ontem. 
Esse é um dos motivos de o Vídeo Show ter acabado (e findou tarde demais). Contam-se nos dedos os verdadeiros artistas, aqueles que realmente são artistas e ganham dinheiro e fama por conta de seus talentos (sem precisar pisar em cima de ninguém, para não falar outra coisa). No entanto, com a internet cada vez mais ágil, até quem pensávamos ser boas-praças estão caindo. Como confiar em nossos artistas?
Foi a época em que eu queria ser igual a um artista de TV. Quando lembro que já copiei cabelos dos galãs, vesti uma calça jeans (caríssima) para ser tal e qual aquele ator, ou pior, quando fantasiava ser amigo deles, o mundo era tão bonito. Passei pelo que muitos também já passaram e muitos continuam passando. Esse é o mundo capitalista em que os "artistas" são nossos exemplos. E todos são boa gente, sorriem, são adoráveis. Nem todos, nem todos.
Não se trata de uma caça às bruxas: eles são humanos, como nós. O que mais causa enjoos, revoltas ou uma simples náusea é essa desigualdade social. Não vou criticar nenhuma lei (se a causa for mesmo a cultura e a educação do Brasil, que assim seja), vou criticar a corrupção em que muitos artistas estão envolvidos. Você arrecadar 10 milhões para angariar uma peça de teatro, mas não usufruir de todo esse dinheiro para esse propósito é no mínimo ser desleal (eu chamo isso de roubo). Por que ainda cobram ingressos?
Não havia motivos para o Vídeo Show continuar. A classe artística já foi devastada. A maioria dos cantores de sucesso de hoje em dia já não precisam da melhor composição. Não que antigamente não existiam pragas, mas o público (a maioria) está enxergando mais. Por exemplo, não adianta o Vídeo Show mostrar o artista sorrindo, talhando-o como gente boa, se ele não cumprimenta o rapaz que todo santo dia busca seu copo d'água. Se não for verdade, um dia você cai.
O Vídeo Show foi tarde, sai do ar sem ninguém notar que está saindo de cena, pois ele não fará nenhuma falta. Ganha a partir de agora quem procurar a verdade, ser verdade. Assim como o Vídeo Show, muitos outros vão cair, e não só na Globo. O público está farto! Ninguém mais aguenta tanta hipocrisia.
A indignação é tamanha que o próprio Mr. TV está cansando, escreve pouco, não porque não gosta mais de TV ou de escrever (amo escrever), mas porque está se cansando de tanta mentira, por tanta gente boa sendo desperdiçada. 
Tchau Vídeo Show. Aos que ficam, cuidado! Sem avisos, apenas este conselho: sejam verdade!

sábado, dezembro 08, 2018

Prêmio Mr. TV - edição 2018


Melhor novela: Orgulho & Paixão. 

Foi um ano bom para as novelas das seis: Tempo de Amar, Orgulho & Paixão (a vencedora) e a atual Espelho da Vida (mesmo caminhando a passos lentos) merecem aplausos do blogue. A trama de Julieta e Aurélio, além de ter o melhor par romântico de anos nas novelas, divertiu, criou expectativas, desenrolou seu novelo com brilhantismo. Com certeza, a novela mais redondinha do ano.
O Tempo Não Para às sete começou com tudo, mas foi declinando conforme os personagens foram descongelando, mas ainda é anos-luz melhor que Deus Salve o Rei (não salvou, que pena).
2º Sol parecia ser uma nova Da Cor do Pecado (apesar de eu nem gostar tanto assim de Da Cor do Pecado), mas não foi. Foi uma novela ruim, de mais erros que acertos. Letícia Colin se firmou como uma grande estrela, ela tinha tudo para abocanhar todos os prêmios em 2018, mas perdeu fôlego, assim como a trama em si. O destaque ficou por conta de Adriana Esteves.
O Sétimo Guardião está em banho-maria, mas é bem melhor que a antecessora.
No SBT, As Aventuras de Poliana conquista números impressionantes de audiência (com picos de 17 pontos). As novelas religiosas da Record cansaram.

Melhor série: Sob Pressão. 
Melhor ator de TV: Júlio Andrade (Sob Pressão).
Melhor atriz de TV: Alice Wegmann (Onde Nascem os Fortes).
Par romântico: Gabriela Duarte e Marcelo Faria (Julieta e Aurélio).
Ator coadjuvante: Ary Fontoura (Orgulho & Paixão).
Atriz coadjuvante: Gabriela Duarte (Orgulho & Paixão).
Vilão: Fábio Assunção (Onde Nascem os Fortes).
Vilã: Natália do Vale (Orgulho & Paixão). Enfim Natália se desvinculou dos personagens de dondoca e superou como má até a sua concorrente de novela (Alessandra Negrini). Lady Margareth foi pior que Karola (Deborah Secco) e Laureta (Adriana Esteves).
Ator cômico: George Sauma (Pais de Primeira e Zorra).
Atriz cômica: Letícia Spiller (O Sétimo Guardião).
Ator ou atriz infantil: Maria Luíza Galhano, uma flor (Espelho da Vida). 
Melhor reprise: Vale Tudo (VIVA).
Melhor programa de auditório: Programa Silvio Santos.
Melhor reality: Dancing Brasil.
Melhor apresentador: Marcos Mion (A Fazenda).
Melhor apresentadora: Xuxa.
Melhor programa de variedades: Mais Você.
Surpresa: A Hora da Venenosa (TV Record).
Melhor programa de cultura inútil: Lady Night.
Entrevistador ou entrevistadora: Mariana Godoy.
Talk show: Mariana Godoy Entrevista (RedeTV).
Humorístico: Tá no Ar.
Jornalístico: Hora Um.
Melhor jornalista de TV: Monalisa Perrone.
Programa esportivo de TV: SportsCenter Brasil (ESPN BRASIL).
Série internacional: This Is Us (Fox). 
Time campeão do Campeonato Brasileiro: Palmeiras (pela décima vez).
Melhor narrador: Luiz Roberto (Globo).
Apresentador ou apresentadora de programa esportivo: Thiago Oliveira.
Música 2018: Banda Melim (nada de Anitta, Pablo Vittar, quer ouvir música boa, ouça a banda Melim (Ouvi dizer, Seu abrigo etc.).
Revelação do ano: Vitória Strada (Tempo de Amar e Espelho da Vida).
Coqueluche nacional: La Casa de Papel (Netflix).
Melhor emissora: Multishow.








Piores do ano - edição 2018

Pior novela: Segundo Sol. A trama recebeu de O Outro Lado do Paraíso ibope perto dos 50 pontos e mesmo assim o autor João Emanoel Carneiro não soube aproveitar. 2º Sol pode-se dizer que foi pior que A Regra do Jogo, também do autor.

Pior série: Mister Brau. A série que não era ruim, mas também não era boa, perdeu fôlego.
Pior ator de TV: Emílio Dantas (2º Sol).
Pior atriz de TV: Giovanna Antonelli (2º Sol).
Pior par romântico: Emílio Dantas e Giovanna Antonelli (Beto Falcão e Luzia não shipparam).
Pior ator coadjuvante: Marcello Novaes (O Sétimo Guardião). Repetido.
Pior atriz coadjuvante: Luisa Arraes (2º Sol). A trama da personagem tinha tudo para acontecer, mas acabou que a personagem foi chata do começo ao fim.
Pior vilão: Ricardo Tozzi (Orgulho & Paixão). Ele não é bom ator.
Pior vilã: Bruna Marquezine (Deus Salve o Rei). Catarina foi pior que Betina (Cléo ex-Pires em O Tempo Não Para).
Pior ator cômico: Paulo Gustavo (A vila). 
Pior atriz cômica: Katiúscia Kanoro (A vila).
Pior ator ou atriz infantil: Não teve ator ou atriz infantil ruim.
Pior reprise: Celebridade (mais pelos cortes).
Pior programa de auditório: Amor & Sexo.
Pior reality: Masterchef Profissionais.
Pior apresentador: Lázaro Ramos (Lazinho com você e Os melhores anos de nossas vidas).
Pior apresentadora: Taís Araújo (Superstar).
Pior programa de variedades: Encontro com Fátima Bernardes.
Não foi legal: As "tesouradas" feitas pela edição das novelas Celebridade, Belíssima e Bebê a Bordo.
Pior entrevistador ou entrevistadora: Daniela Albuquerque.
Pior talk show: Todos são bons, à sua maneira.
Pior humorístico: A vila.
Pior jornalístico: Primeiro Impacto.
Pior jornalista de TV: Dudu Camargo.
Pior programa esportivo de TV: Show do Esporte (Band).
Pior série internacional: Altered Carbon (Netflix).
Times rebaixados à serie B do Campeonato Brasileiro: Sport, América MG, Vitória e Paraná.
Pior narrador: Galvão Bueno (Globo).
Pior apresentador ou apresentadora de programa esportivo: Milton Neves.
O pior da Música 2018: Pablo Vittar.
Pior emissora: Band.

O Sétimo Guardião, o gato, os personagens "chatolinos" e a Marilda


O Sétimo Guardião chega ao primeiro mês com muito de A Indomada, Pedra sobre Pedra, Tieta e Fera Ferida, sendo que volta e meia um personagem dessas lindas novelas são citados, porém, a nova novela das nove da Rede Globo precisa encontrar um caminho que seja só seu. Primeiro, urgentemente, precisa de uma vilã que lembre Perpétua, Altiva ou Nazaré (essa de outra novela do autor). O caminho mais lógico seria promover uma reviravolta na personagem de Lília Cabral (Valentina está chata) e/ou dar à atriz Elizabeth Savalla um teor de Perpétua (ótima como Mirtes).
O casal principal é outro que precisa de up. "Chatolinos"! Com Marcelo Serrado e Carol Dieckmann, está na hora de apostar num drama. Ele machista e ela a mocinha que dá a volta por cima e coloca o marido no lugar dele. Do jeito que vêm sendo apresentados estão também "chatolinos". Zezé Polessa e Leopoldo Pacheco, idem.
Passou da hora de O Sétimo Guardião explodir, acontecer! Aguinaldo Silva está levando tudo em banho-maria, a novela em si é legal, mas pode ficar ainda mais divertida.
A melhor da novela é Letícia Spiller como Marilda. Letícia deu um toque de Babalu (sua inesquecível personagem de 1994) com Ilka de Tibiriçá (imortalizada por Cássia Kis em Fera Ferida). Marilda é uma graça de personagem. Letícia espetacular. Linda também nos nudes. Os nudes podem aumentam, por favor.
José Loreto e Teodoro Cochrane vêm roubando a cena também. O autor avisou que não se tornarão um casal. Sério isso?
Corra Aguinaldo, corra! A ideia da novela é sensacional, é diferente, por isso precisa caminhar. Ficar apenas na saudosa década de 1990 não vinga. Queremos novelão!


O retorno de Jesuíno e Açucena nas tardes da Globo


Em janeiro reestreia na telinha da Globo Cordel Encantado, uma das melhores novelas das seis de todos os tempos e curta (sem precisar os autores segurarem os acontecimentos). Boa escolha, lógico! Foi a primeira novela de Domingos Montagner (a morte desse brilhante ator é dessas coisas que demoramos a aceitar ou se acostumar). Assista ao clipe de lançamento da novela (de 2011).
Enfrentando parcas audiências com “Belíssima” e antes com “Celebridade”, há outras tramas que poderiam voltar ao ar, como: Páginas da Vida, A Vida da Gente, Estrela-Guia e O Beijo do Vampiro.
Mais: a Globo promete não promover cortes na história. Sei! Será o retorno de Jesuíno e Açucena, um “belíssimo” casal.



Leandro Lima é disparado o melhor repórter da Xuxa


No último dia 5 foi ao ar o episódio final do ótimo Dancing Brasil e a média final no ibope foi igual às outras três temporadas: 6 pontos. Xuxa é uma apresentadora ímpar e com grande carisma e talento. A atração conta com um repórter que faz ponte para a Xuxa entre uma dança e outra. Dos três que já estiveram ao lado da rainha, Leandro Lima, da terceira edição, é o melhor. 
Leandro é engraçado sem ser forçado, tem autocrítica e ri dos próprios erros, diferentemente de Sérgio Marone (das duas primeiras), que era bom também, mas menos autêntico e mais tímido. Junno, namorido de Xuxa, foi bem, errou pouco (pressionado por ser quem é), mas peca em carisma, ou seja, Leandro Lima é o repórter que mais funcionou com a Xuxa, por entender a espontaneidade dela. 
O Dancing (o n. 5) só volta em 2020 (em 2019 vai ao ar o Dancing Júnior e a Xuxa fará o The Four, nova aposta da TV Record), mas que optem pela volta de Leandro, por favor!

A nova Globo


A Rede Globo de Televisão, a segunda maior do mundo e primeira do Brasil, está prestes a mudar, transformar sua programação, como há tempos não se via. Há alguns anos não se imaginava a emissora do plim-plim sem Xuxa, Faustão, Jô, Ana Maria Braga, Angélica. Xuxa está na TV Record (concorrente direta e com programas bons), Jô está aposentado e Angélica na geladeira do canal, com boas perspectivas de seguir o caminho de Xuxa. Foi anunciada a saída de Boninho em alguns programas e a entrada de Mariano Boni no setor de variedades. O que deve mudar?
Toda a programação deverá ser voltada mais para o jornalismo, o que será bom, e tomara que seja o fim do Encontro da Fátima, que sempre fica atrás do Mais Você. A programação de segunda a sexta seria perfeita se seguisse esse padrão. 
Os novos nomes da Globo do entretenimento são Lázaro Ramos, Taís Araújo, Fernanda Lima, Otaviano Costa, Tiago Leifert, Luciano Huck e Fernanda Gentil. Lázaro e Taís como apresentadores são ótimos atores, disparados. Fernanda vem sofrendo uma rejeição fora do normal, alguns depositam o 3º lugar no ibope ao Presidente eleito Bolsonaro. Pode ser que seja verdade isso, em partes, Fernanda é a animadora de TV mais sem carisma da TV atual, e apresentador de TV sem carisma não vinga, não à toa todos (ou quase todos) amam (amavam) Silvio Santos, Xuxa, Hebe e Jô (os melhores à frente de programas por décadas). Otaviano é uma boa surpresa (quem via o Faustão no final dos anos 1990 não imagina que ele chegaria lá, pois é, ele chegou!). Dizem que Otaviano poderá ocupar o Faustão futuramente. É um nome. Eu aposto no Evaristo Costa, acho que já mencionei isso aqui uma vez. Tiago é o tipo gente boa que todo mundo quer ter como melhor amigo. E ele é muito bom. Luciano Huck não sou muito fã, mas é inegável seu sucesso. Ele se firmou como um dos mais rentáveis ao canal. A Gentil, parafraseando Gloria Pires, ainda não sou capaz de opinar, apesar de ainda não a ver com bons olhos. A Globo ainda mira Marcos Mion (da TV Record).
A mudança é necessária, mas ainda sou mais Serginho Groisman, Faustão, Xuxa, Angélica, Eliana, Silvio Santos e Ana Maria Braga.
O que não pode acontecer é qualquer um ser apresentador. Leia-se Lázaro, Taís, Fernanda Lima, Sophia Abrahão, entre outros do Vídeo Show.
Ter uma Angélica na casa e preferir a Taís é um erro. Ter tido uma Xuxa e deixá-la escapar e investir numa Fernandinha Souza (que é ótima youtuber e atriz) é burrice. Xuxa, apesar de não ter a audiência merecida, ela concorre com o futebol, é dona do melhor programa do canal concorrente, segundo os melhores críticos. Ou você acha que a Angélica num canal concorrente também não iria ser bem utilizada?
E se tivessem dado o Dança dos Famosos para a Xuxa na Globo? E se o Só Toca Top fosse dado para a Angélica? 
Estão apostando que a Fernanda Gentil possa abocanhar as tardes da Globo. Não sendo algo como o É de casa e o Encontro, pode alcançar voos altos. 
2019 promete ser o ano da diferença da TV Globo. Que tenha aprendido com os erros e volte a subir na audiência com programas criativos e com boas pautas.


segunda-feira, outubro 22, 2018

Crítica: Espelho da Vida

Espelho da Vida está em seu segundo mês no ar e a novela ainda não deslanchou. A história anda em círculos e mesmo você ficando dias sem ver a novela, fica com a sensação de não ter perdido nada. Todavia, nem tudo são espinhos, apesar do fraco enredo (até agora), a história, parecida com a série Outlander, mas com uma vertente no espiritismo, tem lá suas qualidades.
  1. Alinne Moraes como Isabel (futuramente Dora) é uma vilã divertida. Sem paciência com todos, vive de mau humor. A autora deve (por obrigação) aumentar ainda mais o espaço dela na trama. 
  2. A protagonista Vitória Strada defende com maestria Cris e Julia (de épocas diferentes). Atriz de brio, vai longe na carreira.
  3. Rafael Cardoso mal apareceu e já está todo mundo torcendo para ele ficar com a Julia, com a Cris, com a Cris interpretando a Julia. A novela estava carente de mocinho. O Alain (até no nome ele quer ser esquisito) é muito chato. Se a pronúncia é Alan, porque o i no nome dele, porque ele é chato. João Vicente de Castro está muito bem no papel.
  4. As cenas de humor da trama são todas muito engraçadas e todas são de muito bom gosto.
  5. Ana Lúcia Torre é sempre bem-vinda nas novelas. 
  6. Irene Ravache também, mas sua Margot merece mais (mais um puxão de orelha para a autora).
  7. Vera Fischer entrou com tudo. A diva nunca foi uma Irene Ravache (sua companheira de cena), mas é sempre empolgante vê-la nas novelas.
  8. Felipe Camargo é monstro como ator.
  9. A novela vale para ver o ator Emiliano Queiroz. Lindíssimo. 
  10. A música-tema da Cris é o hit romântico do momento (vídeo).
Tomara que a autora Elizabeth Jhin tire a novela do banho-maria e faça Espelho da Vida acontecer: Além do Tempo e Escrito nas Estrelas são de sua autoria e foram lindíssimas.

Em tempo: ainda não gostei da Kéfera.