BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS

sábado, julho 14, 2018

Globo estreia Só Toca Pop no horário que já foi de Angélica e Xuxa

Primeiro um parênteses (a Globo não poderia ter feito o que fez com as duas das maiores apresentadoras infantis dos anos 1980 e 1990, mas vida que segue). 
Estreou neste sábado o programa musical Só Toca Pop com Luan Santana e Fernanda Souza como apresentadores. A audiência? 13 pontos. Muito boa, por sinal. Os convidados? Levando em consideração os sucessos do momento (argh), bom também, ou seja, juntou a fome com a vontade comer. Luan Santana é o cantor favorito da meninada que curte sertanejo universitário (e não tenho preconceito nenhum com suas músicas, ele, na verdade, é um dos poucos que seleciona muito bem o que vai cantar). Fernanda Souza, a Mili, é adorada no Youtube e no Youtube ela manda muito bem. As músicas do momento é que são difíceis de aturar, mas fazem um estrondoso sucesso, então, estão no Só Toca Pop.
O programa não é bom, mas também não é ruim, mais uma vez, a crítica é em cima dos novos popstars do mundo da música. Eu não acredito que chegamos nesse patamar, mas isso é uma outra história.
Enfim, o programa é puro entretenimento e coloca no ar o que realmente a moçada de hoje quer ouvir. Terá vida longa.
Sucesso! 

Segundo Sol não é uma boa novela

Letícia Colin como Rosa, uma das poucas boas coisas de 2º Sol
Antes de estrear, 2º Sol parecia que iria encantar a gregos e troianos, primeiro por trazer Cássia Eller na abertura, segundo por trazer a dupla Adriana Esteves e João Emanoel Carneiro de volta. Sim, a música de Cássia Eller continua arrebentando e Adriana como Laureta não é uma Carminha, mas voltou com tudo e não está prosa.
Alguns meses depois, assim como fez em Novo Mundo (do ano passado), Letícia Colin colocou a novela debaixo do braço e saiu dizendo que a novela é dela. Letícia é a melhor atriz jovem brasileira. Vai longe essa menina! Chay Suede melhorou muito como ator, e apesar de a novela ter bons núcleos, mesmo assim, por causa da trama central não merece aplausos.
O casal principal, Luiza e Beto Falcão, vivem fora da realidade, começaram bem, mas a inverossimilhança chega a doer na alma. Como ninguém os conhece, meu Deus? Como se passou 18 anos e eles continuaram iguais ou mais novos? Que erro da direção e do autor! Lamentável! Fico com pena da Giovanna Antonelli, sempre com bons papéis, não emplaca mais nenhum. Sugestão: descanso para a atriz por uns dois anos para limpar a imagem de atriz chata. Giovanna não é uma atriz chata, os personagens são chatos e tanto essa de 2º Sol quanto a de Sol Nascente (acho que o sol não faz bem a ela) são purgantes que devem ser esquecidos.
Deborah Secco nem sempre dá para engolir. Em 2º Sol ela tem bons momentos e maus momentos, mas a culpa é toda dela (Deborah é outra que não se dá bem com o sol, ela atua em 2º Sol e já fez uma Sol, a personagem-título de América, ela era tão chata que a Gabriela Duarte saiu do posto de coadjuvante para virar a mocinha da novela).
Do autor, sua melhor novela, para muitos foi Avenida Brasil, que foi sim um novelão, mas igual A Favorita, acho que nunca mais, A Favorita para mim é a melhor novela da década de 2000 e 2010 (até agora).
Por fim, 2º Sol merece os 32 pontos de média e, por enquanto, não merece subir (será que ela chega a passar dos 40 pontos? O Outro Lado Paraíso, apesar da tal da Scoobydoolização que diziam que ela sofria (os críticos diziam e isso era verdade mesmo), havia emplacado e caído no gosto popular, já a atual, perdoem-me os mesmos críticos, mas também vejo a tal Scoobydoolização, não consegue(iu) a mesma proeza).
Tomara que melhore.

Por que Marcelo Faria nunca protagonizou uma novela?

Ele deu vida ao Elvis Presley da novela Top Model e ao Ralado de Quatro por Quatro (esse um dos melhores personagens de Carlos Lombardi). Após o Ralado, não restava dúvidas: Marcelo Faria entraria para o primeiro time da Globo. Apesar de nunca ter saído do canal, não foi bem isso que aconteceu. Marcelo continuou com coadjuvantes e muitos deles roubaram a cena, tal e qual foi o bombeiro Vladimir (Celebridade, recém-reprisada), Robson (Beleza Pura), Jorge (Alma Gêmea), Lobão (Malhação) e, por fim, o personagem atual Aurélio (Orgulho & Paixão). 
A novela das seis da Globo é a melhor no ar, simples, mas com uma qualidade ímpar, tem um elenco afiado, uma direção ímpar e um enredo de tirar o fôlego e dentre tanta gente boa, quem está se destacando? Marcelo Faria. Muito do sucesso do Marcelo se deve a sua química perfeita com Gabriela Duarte (extraordinária no papel de Julieta). Os dois são o melhor casal da novela, disparado, e olha que o folhetim conta com inúmeros bons casais.
Marcelo merecia um protagonista ou um grande vilão de uma novela das nove. Puxou todo o talento do pai Reginaldo, este sempre acostumado a protagonistas. Assim como a Gabriela também merece. Gabriela também herdou o talento da mãe Regina.
Marcelo também fez sucesso recentemente nos cinemas, na pele de Vadinho, um dos maridos de Dona Flor, de Jorge Amado. Vadinho foi imortalizado pelo ator José Wilker no filme dos anos 1970 e depois feito com maestria por Edson Celulari na minissérie de 1998. Isso não intimidou Marcelo, que fez tão bem ou melhor que seus antecessores. 
Marcelo merece um protagonista, sim, por ser melhor ator que muitos que volta e meia surgem nos papéis-títulos. Justiça tem que ser feita, já!

Vale a pena ver de novo do Viva é melhor que o da Globo: sim ou com certeza?

O Viva estreou Vale Tudo há algumas semanas (eles deviam ter colocado Vale Tudo no lugar de Explode Coração, seria mais fácil para eu assistir) no lugar de Bebê a Bordo, e ela já é uma das mais vistas do canal, estreará no próximo dia 30 A Indomada (uma daquelas tramas regionais dos áureos 1990) com Eva Wilma e Adriana Esteves (vale a pena ver de novo mesmo!) e dia 20 de agosto reestreia Baila Comigo (com a primeira Helena e dizem ser a melhor), que tem jeito de novela inédita (para muitos é sim). Parabéns Viva, ótimas escolhas. Que venham logo Brega e Chique e Roda de Fogo (anunciadas e desanunciadas (sic)).
Enquanto isso no Vale a pena ver de novo da Globo passa Belíssima, novela boníssima, mas mesmo com Glória Pires, eu continuo preferindo as do Viva.

Altiva vai voltar, em dose dupla

Eva na nova novela das sete da Globo, aos 84 anos
A Altiva vai voltar e em dose dupla. Dia 30 reestreia no Viva a novela A Indomada, com o melhor personagem da atriz Eva Wilma em novelas. Atriz espetacular, ela, que além de Altiva, emocionou como Teresa (de Pátria Minha, a cena com Kadu Moliterno é antológica), divertiu como Zuleika (de História de Amor), foi uma mãe suave em O Rei do Gado (como Marieta na 1ª fase), mas foi com a bruxa da novela das oito (nos anos 1990 era novela das oito ainda) que Eva foi aplaudida por todos os públicos. Of course, viu bichinhos?
No dia 31, um dia depois, Eva estará de volta às novelas em O Tempo Não Para, a nova novela das sete. Eva está com 84 anos e é uma dessas divas da TV que eu tanto gosto e acho que nunca vou deixar de gostar. Boa pedida!
Eva na pele da bruaca Altiva, há 21 anos. Personagem memorável!

sábado, maio 19, 2018

O adeus da atriz Eloíza Mafalda

Eloíza Mafalda morreu aos 93 anos no dia 16 de maio e estava afastada das novelas desde 2002 (O Beijo do Vampiro) por conta do Alzheimer. A atriz tinha dificuldades para decorar suas falas. Não a assisti nos anos 1970 e 1980, mas a vi em quatro personagens: Gioconda de Pedra sobre Pedra (1992), Manuela de Mulheres de Areia (1993), Kitty de Quem é Você? (1996) e Leonor de Por Amor (1997).
Pedra sobre Pedra era uma novela engraçada, como todas de Aguinaldo Silva nos anos 1990 e a beata malvada Gioconda era terrível, eu era uma criança em 1992 e a odiava. No ano seguinte, estreava a melhor novela do mundo, Mulheres de Areia, e em poucas cenas, eu havia esquecido que a Manuela tinha sido a Gioconda um ano antes e adorava a personagem. A desbocada Manuela havia me conquistado de tal maneira que ora ria com ela, ora me emocionava (ela era o máximo!). Três anos depois, Eloíza voltava à comédia com Kitty. Quem é Você? (1996) não foi a melhor novela, mas as cenas dela com André Valli (saudoso) eram de rolar de rir. No ano seguinte, Eloíza foi a sogra bruaca de Marco Ricca, a Leonor de Por Amor. Fez participações em Meu Bem Querer (1998), Porto dos Milagres (2001) e O Beijo do Vampiro (a última).
Assisti apenas quatro novelas com Eloíza, e bastou para que ficasse guardada em meu coração, tal e qual foi com Elias Gleiser, Eva Todor e Míriam Pires. Luto!

sexta-feira, maio 04, 2018

Muda tudo no canal Viva: Vale Tudo e A Indomada vão voltar

Até os 45 minutos do segundo tempo, as novelas Roda de Fogo e Brega & Chique eram as apostas do Canal Viva para as reprises da emissora. Por conta da baixa audiência de Bebê a Bordo, que está sendo mutilada (Viva copiando a Globo), ao invés de Brega & Chique (que pode ainda voltar ao ar no lugar de Sinhá Moça, nada foi decidido até então), o Viva colocará no ar o novelão Vale Tudo (com Glória Pires em um dos melhores papéis de sua carreira, a M. de Fátima) e A Indomada (no lugar da Dara). 
Sobre A Indomada, eu sei de cor e salteado tudo o que acontece na novela (Eva Wilma em seu melhor papel na TV), assisti em 1997 e em 1999 (na reprise da Globo). A Indomada é uma mistura do que deu certo antes: Tieta, Fera Ferida e Pedra sobre Pedra. A novela da Helena (Adriana Esteves) foi escrita por Aguinaldo Silva e a novela da Heleninha (Renata Sorrah) é de autoria (com Gilberto Braga) dele também. As duas são imperdíveis. No entanto, tanto Brega & Chique quanto Roda de Fogo seriam inéditas para muita gente. Fica para a próxima. 

segunda-feira, abril 30, 2018

Os nudes das novelas, minisséries e filmes

Carol Castro causou furou na estreia de Velho Chico há dois anos.
Não é de hoje que os nus fazem a alegria dos mais safadinhos telespectadores das novelas, filmes e/ou minisséries. A TV Manchete nos áureos anos 1980 e 1990 abocanhava uma boa parcela da audiência com D. Beija, Pantanal, Xica da Silva, entre outras, todas boas histórias, mas com muitos nus. Na Globo, as novelas das nove, não raro, e principalmente o horário das onze, abusam de nus. É um festival de bumbuns depilados. No cinema, isso é mais frequente. Com a internet disponibilizando todo o tipo de nu minutos depois de a cena ir ao ar, para ser aceita pelo público a história tem que ser boa, tal foi Verdades Secretas, assim como está sendo Onde Nascem os Fortes, apesar de a audiência da segunda ser inferior à primeira, de 2015.
Os nus frontais, antes um tabu, agora são liberados, até os masculinos. Na Globo, foi ao ar no último Amor & Sexo, apresentado por Fernanda Lima. Nos canais a cabo, tivemos Eduardo Moscovis em cena na série Lucia McCartney. No cinema, Fábio Assunção (Primo Basílio), Marcelo Faria (Dona Flor). Com as mulheres sempre foi mais de boa, assim podemos dizer.
Essa nudez liberada é bom? É preciso o Marcelo Faria aparecer como veio ao mundo (literalmente) no cinema? Precisava já nas primeiras cenas de Onde Nascem os Fortes mostrar os seios de Maeve Jinkings? Enfim, todas essas cenas dão o que falar, tanto é verdade, que sempre que o Mr. TV abre espaço para os nus, os números de visitantes sobem muito, e talvez isso responda porque as novelas, os filmes e as minisséries apostam tanto em nus.
Quem não gosta de ver sua atriz preferida nua em pelo levanta a mão. Ok, pode ser que o encanto acabe, mas, sério?, você está mesmo preocupado com isso?
Para os que dão um VIVA para os nudes na TV e cinema, continuem. Aos que acham isso desnecessário, pulem o post.
Foi ao ar na Globo (pasmem).

Fábio Assunção e Debora Falabella no filme Primo Basílio.


Toda nudez não deve ser castigada, desde que haja um sentido para aquilo. A Globo, por sinal, é duramente criticada quando insere nus em suas novelas. Reynaldo Gianecchini em Verdades Secretas fez a família tradicional brasileira pirar na cena em que Anthony realiza o fetiche de Maurice. Verdades passava tarde da noite, às vezes no início da madrugada, então o autor extravasou até não poder mais. Em Dona Beija, em 1987, Maytê Proença causava furor ao aparecer totalmente nua em cima de um cavalo. Os banhos dos atores de Pantanal, de 1990, eram responsáveis por boa parte dos 40 pontos inimagináveis de uma novela fora da Globo.



Outros posts com nus:

Não foi bem um nu, mas até hoje figura entre uma das cenas mais memoráveis:




quinta-feira, abril 19, 2018

Orgulho & Paixão, primeira crítica

1 mês no ar e Orgulho & Paixão já mostrou a que veio: leve, descontraída, romântica e bem humorada, ingredientes básicos que funcionam muito bem no horário das seis da Globo. O folhetim, com médias entre 20 e 25 pontos, tem agradado o público e (surpresa!) a crítica. O público, principalmente desse horário, adora um pastelão a la Walcyr Carrasco, visto todos os sucessos das seis do autor, o problema é a crítica, sempre cri-cri quando se trata de comédia pastelão (ou seria do Walcyr?). Orgulho é de autoria de Marcos Bernstein.
Baseada nas histórias de Jane Austen, Orgulho consegue a proeza de ir além, buscando subterfúgios folhetinescos, para durar muitos mais que algumas centenas de páginas. Linda fotografia, autor e direção ímpar (Fred Mayrink é um grande diretor e já foi ator, assim como Pedro Vasconcelos e Amora Mautner, quem tem mais de 30 anos, dá um Google neles e mate a saudade deles atuando em Vamp e/ou Despedida de Solteiro). Parabéns! Vamos ao elenco.

  1. Alessandra Negrini encarna mais uma malvada em seu currículo. Selma, Paula, Taís, Catarina, Susana. Todas vilãs, todas adoráveis, todas diferentes. Com Grace Gianoukas forma o melhor par da novela. Divertidíssimo.
  2. Gabriela Duarte, a camaleoa. Ela já foi delicada (Irmãos Coragem), odiada e amada em uma mesma novela (Por Amor), vilã (Esperança), heroína (Chiquinha Gonzaga e América), fez rir (Passione) e agora surge no auge do amadurecimento como atriz em Orgulho. 
  3. Nathália Dill, a nova Catarina. Seria Thiago Lacerda um Petrucchio afortunado? Ambos estão bem.
  4. Marcelo Faria ainda não consegui entender porque nunca fez um protagonista. Está ótimo, como sempre, tal e qual Ary Fontoura.
  5. Tato Gabus e Vera Holtz divertem e roubam todas as cenas.
  6. Agatha Moreira muito bem como Ema.
  7. Rodrigo Simas é outro que merece um protagonista. Baita ator.
  8. Enfim, há muitos bons nomes no elenco.
  9. Rusgas: ainda com um pé atrás com Ricardo Tozzi, mas pode ser só impressão.
Orgulho & Paixão merece mais audiência. Que siga no mesmo caminho e não se perca.

quinta-feira, abril 05, 2018

Globo anuncia volta de Belíssima

Antes mesmo de começar a Copa, a Globo vai encerrar a novela Celebridade. Mesmo sendo a novela mais pedida para o Vale a pena ver de novo, a novela da Maria Clara vem sofrendo para segurar a audiência. Até agora, acumula uma média de 14 pontos, três pontos a menos que a antecessora Senhora do Destino, uma re-reprise. Celebridade está sendo picotada na Globo, muitas vezes, vai ao ar quatro capítulos em um. Para substituí-la, foi anunciada a novela Belíssima, um sucesso de 2005. Glória Pires (loira) (Júlia), Tony Ramos (Nikos), Lima Duarte (Murat), Irene Ravache (Katina), Marina Ruy Barbosa (a menina Sabina), Reynaldo Gianecchini (melhor personagem dele) (Pascoal), Carolina Ferraz (Rebeca), Fernanda Montenegro (Bia Falcão), Marcello Antony (André), Cláudia Abreu (Vitória), Claudia Raia (Safira), Paolla Oliveira (Giovana), Vladimir Brichta (Narciso) e Cauã Reymond (Mateus) fizeram parte do elenco. A trama foi escrita por Silvio de Abreu e deu média final de 48 pontos. Bela escolha!

sábado, março 31, 2018

Xuxa, 55

Os parabéns de Xuxa foram no dia 27 de março, e a apresentadora do Dancing Brasil completou 55 anos. Apesar de muita gente esbravejar que ela está velha, eu grito que ELA ESTÁ LINDA. Veja capas de revistas com a Xuxa:

Xou da Xuxa





Os amores








Xuxa mãe




Xuxa linda









Xuxa rica





Parabéns atrasado Xuxa

fiu-fiu!





O retorno de Vera Fischer às novelas

A atriz Vera Fischer nunca foi uma Glória Menezes ou uma Regina Duarte, Susana Vieira, Fernanda Montenegro e Marília Pêra para citar outras, mas tem lá o seu talento. Quando criança me apaixonei pela Cidinha de Perigosas Peruas, torcia muito mesmo e o endeusamento em cima da atriz pela mídia hoje percebo que era mais pela beleza e pela personalidade Vera Fischer. Vera vendia revistas, era assunto. Quando via os comerciais dela como Lídia Laport anunciando a estreia de Pátria Minha na Globo ficava entusiasmado. Desde aquela época era fã da Glória Pires, por causa da Ruth e da Raquel, mas Vera tinha lá o seu domínio sobre mim. Vera fez muito bem a Lídia até tudo desandar: as brigas intermináveis com o Felipe Camargo, o braço quebrado, as drogas, tudo isso culminou na morte da personagem, dois meses antes do fim. Vera, então, se internou numa clínica e um ano depois ressurgiu esplendorosa na pele de Nena, na 1ª fase de O Rei do Gado. Vi as reprises de Desejo e Riacho Doce, ótimas minisséries. Ela fez Pecado Capital em 1998 até chegar na Helena, de Laços de Família, talvez sua melhor personagem. Seu último bom papel foi em O Clone, como Yvete. Vera Fischer deve à Glória Perez grandes papéis na TV, assim como o pior, a Irina de Salve Jorge, de 2012. Enfim, mesmo não fazendo mais nada na TV, continuou como contratada da Globo. Seis anos depois, a emissora anunciou seu retorno. Vera Fischer gravou participação especial em Malhação Vidas Brasileiras e já está escalada para a nova novela das seis, Espelho da Vida, de Elizabeth Jhin. 
Vera, não mais tem a beleza dos anos 1970, 1980, 1990 e início dos anos 2000, ela era um mulherão como Helena, nas últimas participações parecia até um robô. Maldades à parte, é muito bom ter Vera Fischer de volta. Com os grandes atores envelhecendo, muitos deles não estão mais entre nós, é sempre uma nostalgia ver os medalhões da minha infância atuando. 
Mesmo sabendo que são só atores atuando, e que só são personagens, e que muitos deles são um porre como pessoas, vê-los ainda na TV faz parecer que ainda temos muito chão pela frente nesse mundo, que se eles ainda estão vivos, temos mais chance de continuar no mundo do que eles. Sei que posso muito bem não estar aqui daqui 1 minuto, mas é só uma vantagem que costumo achar que tenho. Por ora, não sei se os novos atores têm cacife para chegar perto de um Tarcisão, de um Fagundes, do Tony Ramos, do que foi Raul Cortez, Wilker, de uma Glória Menezes, Glória Pires, Adriana Esteves, Patrícia Pillar, Laura Cardoso, Susana Vieira, do que foram Miriam Pires, Marília Pêra, entre muitos outros.
Bom retorno Vera Fischer.