BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS

sexta-feira, setembro 16, 2011

Crítica: Mulheres de Areia

Glória Pires como Ruth e Raquel. A interpretação é tão perfeita que o público sabe quem é quem mesmo quando ambas assumem a identidade da outra. Incrível.
No último dia 12 a Globo voltou a exibir o grande sucesso "Mulheres de Areia". E blá-blá-blá! Todos estão cansados de saber que se trata de um verdadeiro fenômeno de audiência, então vamos logo aos fatos. Da obra de Ivani Ribeiro (morta em julho de 1995), o Vale a pena ver de novo  só tem a ganhar com a história das gêmeas Ruth e Raquel. Falar que foi o auge da atriz Glória Pires seria como esquecer dela na pele de Maria de Fátima em Vale Tudo (1988) ou mesmo rifar do histórico da teledramaturgia brasileira a Dona Norma de Insensato Coração, fora do ar há mais ou menos três semanas. Mas revendo os cinco primeiros capítulos constatamos mais uma vez o grande talento dessa atriz maravilhosa. Ruth é a mocinha da história, uma boba, acomodada, como definiu a personagem Raquel no segundo capítulo, mas talhada com muito esmero. O público torce por Ruth, contrariando as mocinhas das novelas atuais (Diana de Passione, Marina de Insensato Coração e Patrícia da atual Fina Estampa), todas chatas. Glória faz par com o ator Guilherme Fontes, o Marcos Assunção, excelente a química dos dois. Reparem no jeito de andar de Ruth, logo perceba o jeito de Raquel, você notará a diferença. Coisas de uma atriz que dispensa qualquer tipo de comentário. É um privilégio ver Glória Pires atuando. 
Quem assistiu O Clone e viu um Marcos Frota delinquente em cena vê em Tonho da Lua um ator impressionante. É emoção pura, ingenuidade comovente. É uma delícia ver que  quando Marcos Frota quer, ele atua muito bem. Lembrei dele na novela Vamp (atualmente reprisada pelo canal Viva). Ele interpretava Augusto Sérgio e junto com a magnífica Vera Holtz (Miss Penn Taylor) investigavam os vampiros. Memorável. Mas voltemos a Mulheres de Areia. Marcos Frota brilha junto de Paulo Goulart, ouso dizer que Donato é seu melhor papel em novelas, pelo menos de 1993 para cá. Bem, os vilões de Mulheres de Areia estão soberbos. Além de Paulo Goulart, temos o prazer de matar a saudade do eterno Geremias Berdinazzi, o senhor Raul Cortez (Virgílio Assunção). Atuação impactante, lindo demais. Paulo Betti é um tremendo cafajeste e esbanja charme em cena e Henri Pagnoncelli começa a por as manguinhas de fora. Lembro que em 1993, na primeira vez que vi a novela, tive completa repugnância pelo ator. Odiava o que ele fazia com a Ruthinha. Culpa do ator que fez com maestria o oportunista César. E claro, a Raquel de Glória Pires, sem dúvida nenhuma uma das melhores vilãs de todos os tempos.
Humberto Martins dá vida ao machão Alaor e Vivianne Pasmanter (sumiu também) transpira rebeldia como a mimada Malu. Os dois vão se encontrar em cena e protagonizaram um dos melhores casais da trama (senão o melhor). É só aguardar. Eloíza Mafalda é divina. Lembro que antes da Manoela, a atriz tinha dado vida a Gioconda Pontes em Pedra sobre Pedra, um ano antes. Um demônio. Mas na trama das gêmeas, Eloíza foi boa e eu, menino na época, esqueci de suas malvadezas na trama anterior e me encantei. Saudade dela. Muita! Sebastião Vasconcellos, Laura Cardoso, Adriano Reis e Nicette Bruno são outros que só acrescentam a cada cena. E ainda podemos acompanhar dona Susana Vieira, talvez em sua melhor década. Além de dar vida a submissa Clarita, Susana brilhou em Fera Ferida (Rubra Rosa), A Próxima Vítima (Ana) e Por Amor (Branca). Depois confundiu ficção e realidade e pagou muitos micos (Senhora do Destino é exceção). 
Andréa Beltrão (Tônia) sempre foi um furacão como atriz e Isadora Ribeiro (Vera) era um furacão como mulher. Benzadeus. Quem assiste o programa do Danilo Gentili na Band notou uma figura tarimbada de lá no folhetim reapresentado pela Globo. Trata-se de Marcelo Mansfield. Na história ele é Santiago, um tremendo baba-ovo de patrão. Mas muito engraçado. É por essas e outras que vale muito a pena ver de novo novelas antigas. 
Mulheres de Areia marcou ainda a estreia da atriz Karina Perez às novelas. A moça tinha todos os pré-requesitos para se firmar como estrela da casa, mas não vingou. Em 1995 voltou ao ar em Explode Coração e desapareceu do mapa depois disso. Gabriela Alves, Eduardo Moscovis, Lu Mendonça, Chico Tenreiro, Ricardo Blat (as cenas dele esperando rever o tubarão que levou seu braço são especiais), Denise Milfont (outra que sumiu), Antonio Pompeo, Giovanna Gold, Cibele Larrama (lembro dela depois de Mulheres de Areia só em A Viagem, ela tem um jeito Dira Paes de ser, sei lá, me lembra), Alexia Deschamps (essa moça fez muitas novelas na época), Stephan Nercessian, Jonas Bloch, Joel Barcellos, João Carlos Barroso (este sempre me deu a impressão de ser muito boa gente, em todas as novelas), Thaís de Campos e Daniel Dantas completam uma trupe que deu muito certo. A novela contou também com a participação pra lá de especial de Carlos Zara (já falecido), o Marcos da primeira versão. Nessa, ele aparece como Zé Pedro. 
Mesmo em 1993 sua exibição ir na faixa das seis da tarde o Ministério da Justiça implicou com a trama 18 anos depois. A Globo teve que cobrir os seios da Mônica Carvalho na abertura original. Faça a comparação. Ano 1993 e ano 2011. Detalhe: em 1996 a abertura foi a mesma exibida três anos antes. Censura. 
A audiência da primeira semana se assemelhou com a primeira de O Clone, em torno de 15 pontos na Grande São Paulo. A expectativa é que logo passe a barreira dos 20 pontos. Coisa que já acontece no Rio de Janeiro. Lá Mulheres de Areia tem mais audiência que as inéditas Malhação e O Astro. Em Belo Horizonte a audiência é ainda maior. Boas novas as gêmeas Ruth e Raquel. Que depois delas deem o ar da graça Tieta, Pilar Batista, Dinah e a sucateira Maria do Carmo. Não custa sonhar.


Os embates entre Raquel e Virgílio, a quem ela chamava de “sogrinho”, são memoráveis. Vale a pena rever um deles, em que Virgílio pensa estar falando com Ruth. Veja:

Perdeu os primeiros cinco capítulos. Aproveite a oportunidade, antes que venha a Globo e resolva cancelá-la no Youtube.





5 comentários:

  1. Cara, a Karina Perez chegou a fazer Por Amor, era a amiga da Branca que ajudava ela nos delitos. Inclusive na prisão do Nando, lembra? E a Cibele Larrama fez, há pouco tempo, uma participação na tevê. Acho que foi em Sansão e Dalila ou então em outra minissérie bíblica da Record... E a Pasmanter fez, há pouco tempo, a novela Tempos Modernos. Ela era uma das filhas do Leal, de Antônio Fagundes...

    ResponderExcluir
  2. Marcio, tudo verdade. Da Cibele lembrei também de Perola Negra. Abração viu!!! e obrigado!!!

    ResponderExcluir
  3. qual e o ultimo dia da novela

    ResponderExcluir
  4. Talvez essa foi uma das melhores atuações do saudoso Raul Cortez. Pra mim, qualquer papel dele é bom, mas meus preferidos são os personagens Jeremias Berdinazzi e Virgílio Assunção.

    ResponderExcluir
  5. Boas noites:

    Foi, com certeza: uma novela e tanto!
    Elenco/enredo/efeitos especiais... Foi um marco/avanço tal técnica das gêmeas, na 1a versão nem existia nada disso_além de ser em P&B.
    E a GLORIA PIRES é uma baita atriz_só agora está em papeis menores...
    Havia até um site sobre ERROS/GAFES DE MULHERES DE AREIA; reparei numa cena onde imagino ninguém ter notado - o Sr. Floriano, fã da Ruth(inha)... Uma vez, decepcionado com a Raquel: olha um porta retrato de ambas (quando eram pequenas), quebra o vidro e fica com a parte da Ruth: tempos depois_tal objeto se encontra na estante!
    E por mostrar cenas de pobreza, mostrava coisas até meio nojentas: aquele MARUJO era...
    Embora um baita ator - uma vez ele dissertou um poema numa livraria no RIO e fui assistir; ele até me cumprimentou!
    E o JOÃO CARLOS BARROSO era parente de uma amiga da minha familia, a finada pintora ZELIA SALGADO: o marido dela (finado também) era o Sr. Paulino Barroso (minha mãe dizia que tal ator vivia na casa deles).
    Soube agora que a desaparecida atriz ALEXIA DESCHAMPS reside no Leblon (Rua João Lyra)... Vivi em tal bairro inclusive!
    Só uma dúvida: falas INEDITA MALHAÇÃO? Aquela coisa ultrapassada existe desde que eu tinha 20 anos, e estou com 37 (hehe).
    Nosso país ainda produz coisas boas_embora tenha produzido muitas antigamente.

    Valeu,
    Rodrigo Rosa

    http://rodrigo-arte.blogspot.com/

    ResponderExcluir