BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS

quinta-feira, novembro 29, 2012

Super-herói brasileiro?

Foi durante o Brasil Urgente, da Rede Bandeirantes, o apresentador de tevê José Luis Datena, que em particular eu não gosto, mas ele é sinônimo de boa audiência, negociou ao vivo um sequestro. Ante qualquer crítica que possa desenvolver ao longo deste texto, a mãe e a mulher do sequestrador foram salvos. Portanto é correto afirmar que José Luis Datena é um super-herói? Seria ele o Batman? Ou o Super-Homem? Não, não é! É apenas um senhor que ganha milhões da TV para colocar na tela as barbáries que acontecem em nosso país. E claro, o governo nada faz para mudar. E se mudassem seria menos um apresentador neste planeta. 
A Band foi procurada, e Datena aceitou intervir. "Sou contra isso. Mas percebi que ele era um homem de bem", afirmou. Por cerca de meia hora, ele conversou com o homem e lhe pediu que saísse de casa, o que acabou acontecendo. Após o desfecho, Datena alegou estar exausto e passou o comando do programa a Marcio Campos. Logo depois, em entrevista ao jornalista Mauricio Stycer, do UOL, afirmou estar arrependido. "No momento em que comecei a falar com o sujeito percebi que não deveria ter feito isso. Mas não tinha como voltar atrás. Me arrependi profundamente. Não é nosso papel como jornalista. Fico feliz que as pessoas foram salvas, mas não podia ter feito isso. Fui levado contra os meus princípios."  
Em Santa Catarina, em São Paulo e sei lá mais aonde até um dia desses atrás estavam queimando ônibus. Um bebê acabou morrendo por conta de bandidos sem coração. A realidade crua na tela da TV pode ser bem vinda e servir a objetivos maiores, entretanto não deve ser muito intensa ou longa, sob o risco de produzir efeito bem diverso daquele pretendido: poderá deixar o telespectador enjoado ou insensível ao drama social. E não é isso que queremos.

O Morro do Alemão, no Rio de Janeiro, é a prova viva que se quiserem podem dar fim a bandidagem. Segurança é tida hoje em dia como utopia, infelizmente, para todos nós. 
Isso me lembrou o filme Matrix, no final do século passado, em que somos tratados como robôs pelo sistema, e não como seres humanos.
E a atitude de José Luis Datena teve um final feliz, bom para todo mundo, mas é uma exceção. Até quando ficaremos envoltos ao que bandidos podem fazer? 
190, isso ainda existe? Brasil, Dilma, Lula, por favor nos acudam!


4 comentários:

  1. Eu sempre acompanho ao Datena, pois, é quando estou arrumando para a facul e meu avô assume o controle da TV. Daí não há como não lastimar alguns comentários infelizes do jornalista, que por sinal, também não é meu favorito. Mas, contudo, esse episódio, digamos assim, me despertou atenção. Eu pude melhor me atentar para a segurança, dita por você em decadência, infelizmente. Foi emocionante, Foi angustiante, Foi triste, mas, não podemos negar, ele agiu. Tenha sido de boa ou má vontade, ele agiu, e deixou muitos policiais e a segurança nacional no chinelo!
    saudades.
    Até mais ler...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeito! O comentário segue como uma continuação do que eu penso. Obrigado!

      E saudades idem. ;)

      Excluir