BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS

domingo, janeiro 18, 2015

Vejam porque ele mereceu morrer

Sobre a execução do traficante brasileiro na Indonésia:
Realmente somos um país sem vergonha na cara.

Nosso Governo deveria ser o primeiro a afirmar que respeita a soberania e as leis da Indonésia. Lá, pelo menos, as leis funcionam!

Nós é que somos o País do jeitinho, das leis que não pegam e de dois pesos e duas medidas.

Ele sabia o que estava fazendo e para onde estava indo e pagou o preço.

O Brasil deveria usá-lo como exemplo de punição e não como mártir do tráfico internacional. 

E tem gente que ainda se compadece com a morte dele. Ah se a lei aqui no Brasil fosse 1/3 que é lá. Para mim bandido bom é bandido morto e pronto!
Daí vem o sr. Luciano Huck, renomado apresentador da Globo, e diz que estamos vivendo no tempo medieval (argh!), ou seja, vivemos inseguros o tempo todo, morremos todos os dias por conta desses "fdp" e ainda temos que tratá-los a pão-de-ló. Mereceu o final que teve.

Direitos humanos para humanos direitos. 


"Há muito tempo tem me incomodado um certo benefício a que têm direito todos os criminosos que, de alguma forma, contribuíram com a Previdência Social: o auxílio reclusão. Como se já fosse pouco para nós contribuintes arcarmos com a estadia dos marginais na prisão, temos mais esse encargo. O "bolsa bandidagem" é pago pela Previdência ao criminoso, enquanto o marginal estiver atrás das grades ou no regime semi-aberto. O benefício corresponde ao valor de R$ 971,78, bem mais do que ganha um trabalhador decente, mesmo com o reajuste do salário mínimo que passou este ano para R$ 788" (Rachel Sheherazade, uma jornalista que vem me ganhando dia após dia, íntegra, sábia, merecedora de todos os aplausos possíveis, pessoa de bem e de coragem). 


Clique aqui e confiram o que Rachel fala sobre bandido. 

Luciano Huck meu querido, estamos cansados de sermos palhaços. Chega gente, por favor!

Comentário de Luiz Carlos Prates:


Prates ouço e leio desde muito tempo, outro jornalista cheio de predicados.


5 comentários:

  1. Luciano Huck gosta de se passar por bonzinho, humanitário, mas vive aprontando e todo mundo sabe. Acho que como cidadãos deveríamos respeitar as leis até mesmo como forma de exercer a cidadania. Cada ação gera uma reação. Mas de qualquer forma, não sou a favor de pena de morte pra ninguém, por mais bárbaro que seja o crime. Prisão perpétua seria uma alternativa... Qnt ao auxílio reclusão, não é tão simples como parece ser. Em visita ao sistema prisional, fui informado que para família ter acesso a este benefício, o recluso deveria - ao ser preso - ser contribuínte do INSS ha pelo menos 18 meses além de manter bom comportamento, ser casado e ser o mantenedor da casa... No presídio que visitei, apenas 20% dos presos recebiam o benefício... o que refletia sobre a média em outros estabelecimentos. Pode parecer chocante, mas mudei completamente minha opinião a respeito do sistema prisional. Lá eles produzem seu próprio uniforme, alimentos além de cuidarem do serviço de limpeza e revender hortaliças, porcos, galinhas... um sistema completo de reabilitação.
    Bandido bom não é bandido morto. Bandido bom, é ser humano reabilitado. Qnd todos tiverem essa oportunidade, acho que as coisas começarão a melhorar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ... mas ainda não consigo sentir pena de criminoso...

      Excluir
    2. assista Luiz Carlos Prates, eu acho que entramos numa era em q não podemos mais ser tão permissivos.

      Excluir
  2. E óbvio, respeito sua posição meu caro amigo Brunno.

    ResponderExcluir
  3. Pena a gnt pode sentir mesmo. Afinal, o que ele faz destrói inúmeras famílias... mas acho que não devemos ir por esse caminho. Ele foi condenado à morte? Ok. São as leis daquele país e devemos respeitá-las. O que não dá, é ficar comemorando em cima, pq daqui a pouco vamos fazer o papel de judeus...
    Mas é bom debater e discordar um pouco. Sinal que somos inteligentes e sensatos ao ponto de respeitar, mesmo não concordando, com a opinião do outro. Isso é liberdade de expressão: opinar sem ofender.
    Abraços... some não.

    ResponderExcluir