BLOGGER TEMPLATES AND TWITTER BACKGROUNDS

sábado, dezembro 08, 2018

Prêmio Mr. TV - edição 2018


Melhor novela: Orgulho & Paixão. 

Foi um ano bom para as novelas das seis: Tempo de Amar, Orgulho & Paixão (a vencedora) e a atual Espelho da Vida (mesmo caminhando a passos lentos) merecem aplausos do blogue. A trama de Julieta e Aurélio, além de ter o melhor par romântico de anos nas novelas, divertiu, criou expectativas, desenrolou seu novelo com brilhantismo. Com certeza, a novela mais redondinha do ano.
O Tempo Não Para às sete começou com tudo, mas foi declinando conforme os personagens foram descongelando, mas ainda é anos-luz melhor que Deus Salve o Rei (não salvou, que pena).
2º Sol parecia ser uma nova Da Cor do Pecado (apesar de eu nem gostar tanto assim de Da Cor do Pecado), mas não foi. Foi uma novela ruim, de mais erros que acertos. Letícia Colin se firmou como uma grande estrela, ela tinha tudo para abocanhar todos os prêmios em 2018, mas perdeu fôlego, assim como a trama em si. O destaque ficou por conta de Adriana Esteves.
O Sétimo Guardião está em banho-maria, mas é bem melhor que a antecessora.
No SBT, As Aventuras de Poliana conquista números impressionantes de audiência (com picos de 17 pontos). As novelas religiosas da Record cansaram.

Melhor série: Sob Pressão. 
Melhor ator de TV: Júlio Andrade (Sob Pressão).
Melhor atriz de TV: Alice Wegmann (Onde Nascem os Fortes).
Par romântico: Gabriela Duarte e Marcelo Faria (Julieta e Aurélio).
Ator coadjuvante: Ary Fontoura (Orgulho & Paixão).
Atriz coadjuvante: Gabriela Duarte (Orgulho & Paixão).
Vilão: Fábio Assunção (Onde Nascem os Fortes).
Vilã: Natália do Vale (Orgulho & Paixão). Enfim Natália se desvinculou dos personagens de dondoca e superou como má até a sua concorrente de novela (Alessandra Negrini). Lady Margareth foi pior que Karola (Deborah Secco) e Laureta (Adriana Esteves).
Ator cômico: George Sauma (Pais de Primeira e Zorra).
Atriz cômica: Letícia Spiller (O Sétimo Guardião).
Ator ou atriz infantil: Maria Luíza Galhano, uma flor (Espelho da Vida). 
Melhor reprise: Vale Tudo (VIVA).
Melhor programa de auditório: Programa Silvio Santos.
Melhor reality: Dancing Brasil.
Melhor apresentador: Marcos Mion (A Fazenda).
Melhor apresentadora: Xuxa.
Melhor programa de variedades: Mais Você.
Surpresa: A Hora da Venenosa (TV Record).
Melhor programa de cultura inútil: Lady Night.
Entrevistador ou entrevistadora: Mariana Godoy.
Talk show: Mariana Godoy Entrevista (RedeTV).
Humorístico: Tá no Ar.
Jornalístico: Hora Um.
Melhor jornalista de TV: Monalisa Perrone.
Programa esportivo de TV: SportsCenter Brasil (ESPN BRASIL).
Série internacional: This Is Us (Fox). 
Time campeão do Campeonato Brasileiro: Palmeiras (pela décima vez).
Melhor narrador: Luiz Roberto (Globo).
Apresentador ou apresentadora de programa esportivo: Thiago Oliveira.
Música 2018: Banda Melim (nada de Anitta, Pablo Vittar, quer ouvir música boa, ouça a banda Melim (Ouvi dizer, Seu abrigo etc.).
Revelação do ano: Vitória Strada (Tempo de Amar e Espelho da Vida).
Coqueluche nacional: La Casa de Papel (Netflix).
Melhor emissora: Multishow.








Piores do ano - edição 2018

Pior novela: Segundo Sol. A trama recebeu de O Outro Lado do Paraíso ibope perto dos 50 pontos e mesmo assim o autor João Emanoel Carneiro não soube aproveitar. 2º Sol pode-se dizer que foi pior que A Regra do Jogo, também do autor.

Pior série: Mister Brau. A série que não era ruim, mas também não era boa, perdeu fôlego.
Pior ator de TV: Emílio Dantas (2º Sol).
Pior atriz de TV: Giovanna Antonelli (2º Sol).
Pior par romântico: Emílio Dantas e Giovanna Antonelli (Beto Falcão e Luzia não shipparam).
Pior ator coadjuvante: Marcello Novaes (O Sétimo Guardião). Repetido.
Pior atriz coadjuvante: Luisa Arraes (2º Sol). A trama da personagem tinha tudo para acontecer, mas acabou que a personagem foi chata do começo ao fim.
Pior vilão: Ricardo Tozzi (Orgulho & Paixão). Ele não é bom ator.
Pior vilã: Bruna Marquezine (Deus Salve o Rei). Catarina foi pior que Betina (Cléo ex-Pires em O Tempo Não Para).
Pior ator cômico: Paulo Gustavo (A vila). 
Pior atriz cômica: Katiúscia Kanoro (A vila).
Pior ator ou atriz infantil: Não teve ator ou atriz infantil ruim.
Pior reprise: Celebridade (mais pelos cortes).
Pior programa de auditório: Amor & Sexo.
Pior reality: Masterchef Profissionais.
Pior apresentador: Lázaro Ramos (Lazinho com você e Os melhores anos de nossas vidas).
Pior apresentadora: Taís Araújo (Superstar).
Pior programa de variedades: Encontro com Fátima Bernardes.
Não foi legal: As "tesouradas" feitas pela edição das novelas Celebridade, Belíssima e Bebê a Bordo.
Pior entrevistador ou entrevistadora: Daniela Albuquerque.
Pior talk show: Todos são bons, à sua maneira.
Pior humorístico: A vila.
Pior jornalístico: Primeiro Impacto.
Pior jornalista de TV: Dudu Camargo.
Pior programa esportivo de TV: Show do Esporte (Band).
Pior série internacional: Altered Carbon (Netflix).
Times rebaixados à serie B do Campeonato Brasileiro: Sport, América MG, Vitória e Paraná.
Pior narrador: Galvão Bueno (Globo).
Pior apresentador ou apresentadora de programa esportivo: Milton Neves.
O pior da Música 2018: Pablo Vittar.
Pior emissora: Band.

O Sétimo Guardião, o gato, os personagens "chatolinos" e a Marilda


O Sétimo Guardião chega ao primeiro mês com muito de A Indomada, Pedra sobre Pedra, Tieta e Fera Ferida, sendo que volta e meia um personagem dessas lindas novelas são citados, porém, a nova novela das nove da Rede Globo precisa encontrar um caminho que seja só seu. Primeiro, urgentemente, precisa de uma vilã que lembre Perpétua, Altiva ou Nazaré (essa de outra novela do autor). O caminho mais lógico seria promover uma reviravolta na personagem de Lília Cabral (Valentina está chata) e/ou dar à atriz Elizabeth Savalla um teor de Perpétua (ótima como Mirtes).
O casal principal é outro que precisa de up. "Chatolinos"! Com Marcelo Serrado e Carol Dieckmann, está na hora de apostar num drama. Ele machista e ela a mocinha que dá a volta por cima e coloca o marido no lugar dele. Do jeito que vêm sendo apresentados estão também "chatolinos". Zezé Polessa e Leopoldo Pacheco, idem.
Passou da hora de O Sétimo Guardião explodir, acontecer! Aguinaldo Silva está levando tudo em banho-maria, a novela em si é legal, mas pode ficar ainda mais divertida.
A melhor da novela é Letícia Spiller como Marilda. Letícia deu um toque de Babalu (sua inesquecível personagem de 1994) com Ilka de Tibiriçá (imortalizada por Cássia Kis em Fera Ferida). Marilda é uma graça de personagem. Letícia espetacular. Linda também nos nudes. Os nudes podem aumentam, por favor.
José Loreto e Teodoro Cochrane vêm roubando a cena também. O autor avisou que não se tornarão um casal. Sério isso?
Corra Aguinaldo, corra! A ideia da novela é sensacional, é diferente, por isso precisa caminhar. Ficar apenas na saudosa década de 1990 não vinga. Queremos novelão!


O retorno de Jesuíno e Açucena nas tardes da Globo


Em janeiro reestreia na telinha da Globo Cordel Encantado, uma das melhores novelas das seis de todos os tempos e curta (sem precisar os autores segurarem os acontecimentos). Boa escolha, lógico! Foi a primeira novela de Domingos Montagner (a morte desse brilhante ator é dessas coisas que demoramos a aceitar ou se acostumar). Assista ao clipe de lançamento da novela (de 2011).
Enfrentando parcas audiências com “Belíssima” e antes com “Celebridade”, há outras tramas que poderiam voltar ao ar, como: Páginas da Vida, A Vida da Gente, Estrela-Guia e O Beijo do Vampiro.
Mais: a Globo promete não promover cortes na história. Sei! Será o retorno de Jesuíno e Açucena, um “belíssimo” casal.



Leandro Lima é disparado o melhor repórter da Xuxa


No último dia 5 foi ao ar o episódio final do ótimo Dancing Brasil e a média final no ibope foi igual às outras três temporadas: 6 pontos. Xuxa é uma apresentadora ímpar e com grande carisma e talento. A atração conta com um repórter que faz ponte para a Xuxa entre uma dança e outra. Dos três que já estiveram ao lado da rainha, Leandro Lima, da terceira edição, é o melhor. 
Leandro é engraçado sem ser forçado, tem autocrítica e ri dos próprios erros, diferentemente de Sérgio Marone (das duas primeiras), que era bom também, mas menos autêntico e mais tímido. Junno, namorido de Xuxa, foi bem, errou pouco (pressionado por ser quem é), mas peca em carisma, ou seja, Leandro Lima é o repórter que mais funcionou com a Xuxa, por entender a espontaneidade dela. 
O Dancing (o n. 5) só volta em 2020 (em 2019 vai ao ar o Dancing Júnior e a Xuxa fará o The Four, nova aposta da TV Record), mas que optem pela volta de Leandro, por favor!

A nova Globo


A Rede Globo de Televisão, a segunda maior do mundo e primeira do Brasil, está prestes a mudar, transformar sua programação, como há tempos não se via. Há alguns anos não se imaginava a emissora do plim-plim sem Xuxa, Faustão, Jô, Ana Maria Braga, Angélica. Xuxa está na TV Record (concorrente direta e com programas bons), Jô está aposentado e Angélica na geladeira do canal, com boas perspectivas de seguir o caminho de Xuxa. Foi anunciada a saída de Boninho em alguns programas e a entrada de Mariano Boni no setor de variedades. O que deve mudar?
Toda a programação deverá ser voltada mais para o jornalismo, o que será bom, e tomara que seja o fim do Encontro da Fátima, que sempre fica atrás do Mais Você. A programação de segunda a sexta seria perfeita se seguisse esse padrão. 
Os novos nomes da Globo do entretenimento são Lázaro Ramos, Taís Araújo, Fernanda Lima, Otaviano Costa, Tiago Leifert, Luciano Huck e Fernanda Gentil. Lázaro e Taís como apresentadores são ótimos atores, disparados. Fernanda vem sofrendo uma rejeição fora do normal, alguns depositam o 3º lugar no ibope ao Presidente eleito Bolsonaro. Pode ser que seja verdade isso, em partes, Fernanda é a animadora de TV mais sem carisma da TV atual, e apresentador de TV sem carisma não vinga, não à toa todos (ou quase todos) amam (amavam) Silvio Santos, Xuxa, Hebe e Jô (os melhores à frente de programas por décadas). Otaviano é uma boa surpresa (quem via o Faustão no final dos anos 1990 não imagina que ele chegaria lá, pois é, ele chegou!). Dizem que Otaviano poderá ocupar o Faustão futuramente. É um nome. Eu aposto no Evaristo Costa, acho que já mencionei isso aqui uma vez. Tiago é o tipo gente boa que todo mundo quer ter como melhor amigo. E ele é muito bom. Luciano Huck não sou muito fã, mas é inegável seu sucesso. Ele se firmou como um dos mais rentáveis ao canal. A Gentil, parafraseando Gloria Pires, ainda não sou capaz de opinar, apesar de ainda não a ver com bons olhos. A Globo ainda mira Marcos Mion (da TV Record).
A mudança é necessária, mas ainda sou mais Serginho Groisman, Faustão, Xuxa, Angélica, Eliana, Silvio Santos e Ana Maria Braga.
O que não pode acontecer é qualquer um ser apresentador. Leia-se Lázaro, Taís, Fernanda Lima, Sophia Abrahão, entre outros do Vídeo Show.
Ter uma Angélica na casa e preferir a Taís é um erro. Ter tido uma Xuxa e deixá-la escapar e investir numa Fernandinha Souza (que é ótima youtuber e atriz) é burrice. Xuxa, apesar de não ter a audiência merecida, ela concorre com o futebol, é dona do melhor programa do canal concorrente, segundo os melhores críticos. Ou você acha que a Angélica num canal concorrente também não iria ser bem utilizada?
E se tivessem dado o Dança dos Famosos para a Xuxa na Globo? E se o Só Toca Top fosse dado para a Angélica? 
Estão apostando que a Fernanda Gentil possa abocanhar as tardes da Globo. Não sendo algo como o É de casa e o Encontro, pode alcançar voos altos. 
2019 promete ser o ano da diferença da TV Globo. Que tenha aprendido com os erros e volte a subir na audiência com programas criativos e com boas pautas.